Complexo Multiuso

Brasília / Brazil / 2011

75
75 Love 6,962 Visits Published
The multi-use complex proposed for this 32.000m² lot aims at creating not only a new architectural reference for the region, but also a new destination for the city. Adding three different uses – retail, office buildings and modular offices – the new complex creates a landmark in the landscape, values the surroundings, and establishes a new shopping destination. With a daring design, it emphasizes the public and private open spaces, which are one of the main structural elements of the architectonic proposal. Thus, it is outlined as an attractive and seductive space, open for the local way and isolated from the expressway noise, able to attract pedestrians and drivers to get to know the beautiful square embraced by a building which corkscrews all around it. At the same time, a gradual system of permeability around the shops and living spaces takes advantage of an important flow of pedestrians, currently concentrated in the serving passage which connects the footbridge and the bus stops on the expressway to the activities of the local road, and enhances it. In addition to the desired permeability and the configuration of a central square, the understanding of the three types of use, coupled with the interpretation of local law, is a determining factor for the geometry of the building. Rather than segregating them in weatherproof towers, it is exactly in the superposition of ‘layers’ of different features that the cohesion required for the complex is formed: - the ground floor (semi-buried), designed mainly for commercial matters (retail), seeks a natural relation with the central square and serving spaces, now treated as an attractive linear square integrated into the set. Passage and permanence spaces, surrounded by Cafés, shops, restaurants and ice cream shops, set up a fluid space that always lead to the central square. Landings, pilotis, reflecting pools and green areas create a spatial diversity which provides a wide variety of uses. The anchors organize this space, create the main visual focus, and are distributed in order to generate movement among the smaller shops. The anchors and shops of the eastern flank, closer to the serving square, may be more focused on the most popular public profile, which moves between the public transportation and a local way. Yet, the southern and western shops may be more oriented to users and visitors of the own complex, besides serving outsiders who consider those shops as their final destination. In these two flanks, two anchor-shops, food court and modular shops open onto the central square, while their external perimeter, facing setbacks and with no movement of pedestrians, is occupied by offices with covered terrace and private garden. Six gatehouses, integrated into the square and the shops, give controlled access to the elevators which lead to the corporate and office floors; - foundation: this layer stands out as a solid object on the ground floor space, in contrast with the fluidity and opening of the galleries which define it. These are the corporate spaces, here arranged in a linear way and concentrated on a large flagstone of 16.515 m² and a mezzanine of 2.629 m². Unlike superposing standard corporate flagstones, the intention was to create the greatest diversity of spatial arrangements possible, allowing leasing it to a single company or companies with different needs. With plentiful illumination and landscape facing the central square, the foundation sets the platform on which the office buildings and an amazing suspended square will be supported. From this, a part will have exclusive use of the corporate flagstone, serving as an outdoor space for lunch and rest for the staff, decompression area, pergolas for informal meetings on nice days, etc. - office buildings: the need for illumination and ventilation for many small and medium sets implied in the creation of slender strips with two façades and central circulation. These volumes, with an average distance of 10m to 12m, create offices with two main features: those facing ‘out’, i.e., to the central square and the limits of the land, and those facing ‘in’. These latter, instead of having an unpleasant view, count on the existence of a green space that accompanies the two strips, opening up from time to time for the landscape and defining green perspectives for these sets. The tension created by the rupture of a more rigid parallelism, combined with more violent inflections over the central square, marks an always dynamic landscape, in order to avoid monotony. Result of the inflections of the volumes on the central square, the green corridor widens at the ends of the building, allowing a glimpse of this rich suspended garden. The perception will be of a great continuous garden, but these are private spaces of the sets that open to it, in order to make them more attractive and allow the sales of spaces that would normally be lost in another sort of conventional venture. These floors feature modular sets of different sizes, with and without garden or mezzanine, in order to accommodate businesses and professionals of different characteristics and ensuring the diversity which will encourage the efficiency of retail on the ground floor, as well as the intended uses for the top floor. In addition, the supply of different typologies favors the liquidity of the venture. Despite having a reading of continuity, the office buildings were designed with a certain independence between the parts that compose it, to allow the construction in stages and the phased launching, if needed; - top floor: by turning to a breach of the legislation, it is possible to create a top floor for leisure and cultural uses up to the limit of 40% of the top floor with computable areas. Therefore, the proposal contemplates the use of these spaces for recreational uses such as gym, music or language schools, most exclusive restaurants (other than those referred to the food court on the ground floor), besides auditoriums and cultural centers of large companies, eventually with access controls and exclusive elevators for these spaces. The indoor spaces are surrounded by covered terraces and uncovered gardens, towards the creation of attractive spaces which are compatible with the nature of the intended uses. The use of these spaces allows for the extension of the characteristic hours of use of the complex, expanding the synergy between complementary uses (retail and parking) and attracting users from out of the complex. The importance of using the top floor as computable area is reflected in a better proportion of volume built over the open space on the ground floor, which stands out in the project. O complexo multiuso proposto para este lote de 32.000m², pretende criar não apenas uma nova referência de arquitetura para a região, mas também um novo destino na cidade. Agregando três diferentes usos – varejo, lajes corporativas e escritórios modulares – o novo complexo cria um marco na paisagem, valoriza o entorno e estabelece um novo destino comercial. Com desenho arrojado, enfatiza os espaços abertos públicos e privados, que são um dos principais elementos estruturadores da proposta arquitetônica. Desta forma, delineia-se como um espaço atraente e sedutor aberto para a via local e isolado do barulho da via expressa, capaz de atrair os pedestres e motoristas a conhecer a bela praça abraçada por um edifício que serpenteia ao seu redor. Ao mesmo tempo, um sistema gradual de permeabilidade em torno de lojas e espaços de estar, tira proveito de um importante fluxo de pedestres, atualmente concentrado na passagem em servidão que liga a passarela e os pontos de ônibus da via expressa às atividades da via local, e o potencializa. Além da permeabilidade desejada e da configuração de uma praça central, a compreensão das três tipologias de uso, aliadas à interpretação da legislação local, é um fator determinante da geometria do edifício. Ao invés de segregá-las em torres estanques, é justamente na sobreposição de ‘camadas’ de características diferentes que se forma a coesão desejada para o complexo: - o pavimento térreo (semi-enterrado), de finalidade predominantemente comercial (varejo), busca uma relação natural com os espaços da praça central e da servidão, agora tratada como uma atraente praça linear integrada ao conjunto. Espaços de passagem e permanência, cercado de cafés, lojas, restaurantes e sorveterias, configura-se um espaço fluido que desembocam sempre na praça central. Patamares, pilotis, espelhos d’água e áreas verdes criam uma diversidade espacial que propicia os mais diversos usos. As âncoras organizam este espaço, criam os principais focos visuais e se distribuem de maneira a provocar a circulação entre as lojas menores. As âncoras e lojas do flanco Leste, mais próximas à praça de servidão, poderão ser mais focadas no público de perfil mais popular, que se desloca entre o transporte público e a via local. Já as lojas ao Sul e Oeste poderão ser mais orientadas aos usuários e visitantes do próprio complexo, além de atender a pessoas de fora que tenham essas lojas como destino final. Nestes dois flancos, duas lojas-âncora, praça de alimentação e lojas modulares abrem-se para a praça central, enquanto seu perímetro externo, voltado aos recuos e sem circulação de pedestres, é ocupado por escritórios com varanda coberta e jardim privativo. Seis portarias, integradas à praça e às lojas, dão acesso controlado aos elevadores que levam aos andares corporativos e de escritórios; - embasamento: esta camada destaca-se como um objeto sólido sobre o espaço do térreo, contrapondo-se à fluidez e abertura das galerias que o definem. Tratam-se dos espaços corporativos, aqui organizados de maneira linear e concentrados numa grande laje de 16.515m² e um mezanino de 2.629m². Ao contrário de sobrepor lajes corporativas padrão, a intenção foi criar a maior diversidade possível de arranjos espaciais, permitindo a locação para uma única empresa ou para empresas com necessidades distintas. Com ampla iluminação e paisagem voltada à praça central, o embasamento define a plataforma sobre a qual serão apoiados os edifícios de escritório e uma incrível praça suspensa. Desta, parte terá uso exclusivo da laje corporativa, servindo como um espaço externo para almoço e descanso dos funcionários, área de descompressão, pérgulas para reuniões informais em dias agradáveis etc. - edifícios de escritório: a necessidade de iluminação e ventilação para muitos conjuntos pequenos e médios implicou a criação de fitas esbeltas com duas fachadas e circulação central. Esses volumes, com distância média entre si de 10m a 12m, criam escritórios com duas características principais: aqueles voltados para ‘fora’, isto é, para a praça central e para os limites do terreno, e aqueles voltados para ‘dentro’. Estes últimos, ao contrário de terem uma vista desagradável, contam com a existência de um espaço verde que acompanha as duas fitas, abrindo-se de quando em quando para a paisagem e definindo perspectivas verdes para estes conjuntos. A tensão criada pela ruptura de um paralelismo mais rígido, aliada a inflexões mais violentas sobre a praça central, marcam uma paisagem sempre dinâmica, de forma a evitar a monotonia. Resultado da inflexão dos volumes sobre a praça central, o corredor verde se alarga nas pontas do edifício, permitindo vislumbrar esse rico jardim suspenso. A percepção será de um grande jardim contínuo, mas tratam-se de espaços privativos dos conjuntos que se abrem para ele, de forma a torná-los mais atraentes e possibilitar a venda de espaços que seriam normalmente perdidos em outro tipo de empreendimento convencional. Esses andares apresentam conjuntos modulares de diferentes tamanhos, com e sem jardim ou mezanino, de maneira a permitir acomodar empresas e profissionais de diferentes características e garantindo a diversidade que estimulará a eficiência do varejo no térreo, bem como os usos previstos para a cobertura. Além disso, a oferta de tipologias de característica distinta favorece a liquidez do empreendimento. Apesar de terem uma leitura de continuidade, os edifícios de escritório foram concebidos com certa independência entre os trechos que as compõem, de forma a permitir a construção em etapas e lançamento faseado, caso necessário; - cobertura: ao lançar mão de uma brecha da legislação, é possível criar um último pavimento para usos de lazer e cultural até o limite de 40% da cobertura com áreas computáveis. Para tanto, a proposta contempla o aproveitamento desses espaços para usos de lazer como academia, escolas de música ou idioma, restaurantes mais exclusivos (distintos dos previstos para a praça de alimentação, no térreo), além de auditórios e espaços culturais de grandes empresas, eventualmente com controles de acesso e elevadores exclusivos para esses espaços. Espaços fechados são cercados de varandas cobertas e jardins descobertos, objetivando a criação de espaços atraentes e compatíveis com a natureza dos usos previstos. A utilização desses espaços possibilita a extensão do horário característico de utilização do complexo, dilatando a sinergia entre os usos complementares (varejo e estacionamento) e atraindo usuários de fora do complexo. A importância de se utilizar a cobertura como área computável reflete-se numa melhor proporção do volume construído em relação ao espaço aberto no térreo, que no projeto ganha bastante destaque.
75 users love this project
Comments
View previous comments
    comment
    Enlarge image

    The multi-use complex proposed for this 32.000m² lot aims at creating not only a new architectural reference for the region, but also a new destination for the city. Adding three different uses – retail, office buildings and modular offices – the new complex creates a landmark in the landscape, values the surroundings, and establishes a new shopping destination. With a daring design, it emphasizes the public and private open spaces, which are one of the main structural elements of the...

    Project details
    • Year 2011
    • Status Unrealised proposals
    • Type Apartments / Office Buildings / Showrooms/Shops
    Archilovers On Instagram
    Lovers 75 users